O tempo todo ouvimos falar sobre radicais livres e os prejuízos que causam a nossa saúde, mas quem são eles? Diversas pesquisas científicas são conduzidas a fim de esclarecer o papel dos radicais livres em nosso organismo e sua relação com processos degenerativos, como o envelhecimento por exemplo.

 Radicais livres são átomos ou moléculas instáveis, que possuem número ímpar de elétrons em sua última camada eletrônica. Por esse motivo, os radicais livres atacam outras moléculas para “roubar” elétrons e assim se tornarem estáveis. As moléculas que tiveram elétrons roubados se tornarão instáveis, e buscarão elétrons em outras moléculas para se estabilizar, gerando uma reação em cadeia, que pode causar danos ao organismo.

A formação de radicais livres ocorre de maneira contínua em nosso corpo. Essa formação ocorre por exemplo, durante a “queima” do oxigênio pelas nossas células, feita para transformar os nutrientes, que ingerimos através da alimentação, em energia. Entretanto, nosso corpo se encarrega de eliminar os radicais livres danosos, quando estes são produzidos em quantidades normais, já quando estão em níveis excessivos, eles tendem a se acumular e podem causar diversas patologias.

Os processos metabólicos não são a única fonte de formação de radicais livres, fatores externos como poluição, ingestão de álcool, tabagismo, radiação ultravioleta etc., também contribuem para a sua formação, funcionando como catalisadores que aceleram a reação de oxidação das células. Até mesmo o exercício físico em excesso contribui para isso, assim como atividades exaustivas, que também desencadeiam a liberação de radicais livres.

Dentre os efeitos danosos causados pelo excesso de radicais livres, está o envelhecimento precoce, doenças cardíacas, aterosclerose, doenças degenerativas como Alzheimer e Mal de Parkinson, alguns tipos de câncer, até queda de cabelo e manchas na pele.

Como diminuir a formação de radicais livres?

Adotar uma rotina equilibrada é essencial para diminuir a formação desses agentes reativos. A alimentação deve priorizar verduras verde-escuras, como couve, brócolis e espinafre, frutas ricas em vitamina C, como laranja, acerola, morango, alimentos ricos em betacaroteno, como a cenoura e a abóbora, e ricos em licopeno, como o tomate, todos esses alimentos inibem a formação de radicais livres porque contêm agentes antioxidantes. O papel dos antioxidantes é proteger as células sadias do organismo contra a ação oxidante dos radicais livres. Inclua mais antioxidantes na sua alimentação, através da suplementação de LICOPENO por exemplo. Outro poderoso antioxidante, que ajuda a evitar principalmente as doenças degenerativas oculares, como a degeneração macular e a catarata relacionada à idade, é a LUTEÍNA.

Além disso, é importante diminuir a ingestão de gorduras saturadas e gorduras trans, evitar o consumo de álcool e o tabagismo e se exercitar da maneira correta, com orientação de um profissional.